top of page

Compositor
 

José Siqueira

José Siqueira nasceu em 24 de junho de 1907 na cidade de Conceição,  estado  da Paraíba. Cresceu em uma família  de músicos e teve contato  com muitos instrumentos, porém optou pelo  trompete como seu instrumento  principal.

Aos 20 anos, em 1927, foi para o  Rio de Janeiro e um ano depois foi admitido

como trompetista na Banda Sinfônica da Escola Militar.

 

O início de sua formação acadêmica aconteceu entre os anos de 1928 e 1933 no Instituto Nacional de Música  onde estudou teoria, regência, composição e piano.  Em sua formação teve como professores, Francisco  Braga, Paulo Silva, Luiz Amabile e Walter Burle-Max.

Em 1937, por meio de um concurso passou a lecionar composição e regência na Escola Nacional de Música da Universidade do Brasil, atualmente Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).


Paralelamente à carreira de compositor e regente, José Siqueira teve um papel político importante no cenário musical brasileiro ao participar da criação de várias entidades culturais, dentre elas a Ordem dos Músicos do Brasil, Orquestra Sinfônica Nacional e a Orquestra Sinfônica Brasileira (ANDRADE, 2001, p. 20; BELTRAMI, 2006, p. 81; FARIAS, 2013, p. 50).

A criação dessas instituições foi um marco relevante para a valorização da profissão de músico no Brasil, o que possibilitou conquistas importantes para a categoria, dentre elas o direito à aposentadoria.  


Mariz divide a produção de Siqueira em fases composicionais. A primeira é considerada universalista e se deu até o ano de 1943, a segunda é classificada como nacionalista com a observação de ser demasiadamente direta, que vai de 1943 a 1950. A terceira fase é nomeada como nordestina essencial, pois a partir desse ano Siqueira começou a se dedicar ao nacionalismo e à aplicação do sistema trimodal em suas composições (MARIZ, 2000).


Uma característica essencial em suas obras é o nacionalismo e a utilização do folclore nordestino em suas composições. Compreende-se, portanto, que José Siqueira se manteve fiel a este estilo composicional, sendo essa uma característica essencial em suas obras.

 

Um dos destaques da produção de Siqueira e referenciado como “pontos altos na obra do músico paraibano são as suas coletâneas de canções sobre poemas de Manuel Bandeira situando-o como um compositor de lied nacional” (MARIZ, 2000, p. 275).


Além disso, Siqueira também se destaca na criação de obras para instrumentos de sopro. Possui uma vasta coleção de peças camerísticas com variadas formações que vão de duos, trios, quartetos, quinteto de sopros além de Concertinos para solistas com orquestra de câmara.

índice.jpg
bottom of page